Idiossincrasias profissionais

Postado por em novembro 8, 2015 em Artigos Técnicos, Materiais para Ler e Baixar | 0 comentários

Idiossincrasias profissionais

Idiossincrasias profissionais – Por Heitor Borba

 

Idiossincrasias podem prejudicar o profissional à medida que o mesmo a externa de forma contrária a cultura organizacional.

De forma inconsciente ou não, todos nós temos idiossincrasias. As idiossincrasias profissionais são externadas durante o exercício funcional que a profissão requer. Mas é preciso cuidar para que essa peculiaridade comportamental não prejudique a eficiência funcional, impactando na eficácia profissional.

Idiossincrasia pode ser definida como “Qualquer detalhe de conduta peculiar a um indivíduo determinado e que não possa ser atribuído a processos psicológicos gerais, bem conhecidos.” Ou como “Particularidade comportamental própria de um indivíduo ou de um grupo de pessoas.

Eu por exemplo, sou muito crítico, acho que já nasci assim. Apesar de ser algo excelente pode ser também prejudicial quando bate de frente com a cultura de um chefe (e não de um líder). Lembro quando trabalhava numa empresa em que o chefe era religioso de uma das vertentes afro. Esse chefe adorava benzer ou purificar o ambiente de trabalho aspergindo água de cheiro sobre as pessoas nas sextas-feiras (não me perguntem por que). Para mim que não acredito nisso em nada me incomodava. Mas um dos colegas, que era religioso de uma das vertentes evangélicas, sentiu-se incomodado com tal comportamento e reagiu de forma truculenta com o chefe. O resultado foi sua demissão. Claro que ambos erraram. Empurrar uma religião, filosofia ou opinião goela abaixo dos outros é algo execrável nos dias de hoje. E partindo de um superior hierárquico é mais reprovável ainda, dado a condição de superioridade em que se encontra em relação ao subordinado.

No campo profissional vemos pessoas inferindo funcionalmente nas ações de forma totalmente idiossincrática.  Um profissional de segurança do trabalho, por exemplo, que manda rezar uma missa num canteiro de obras com o objetivo de eliminar a ocorrência de acidentes de trabalho está agindo com idiossincrasia. Tem até DDS (Diálogos Diários de Segurança) sendo substituídos por pregações e orações. A empresa contratou um religioso para fazer prevenção? É o mesmo que construir um prédio substituindo o cálculo da dosagem de concreto e ferragem por ações religiosas.

A idiossincrasia pode ser muito prejudicial na implantação de programas de qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional, bem como, de qualquer outro programa. Sempre que tentamos implantar algum programa novo ouvimos de alguns funcionários: “Isso não vai funcionar” ou “Sempre fiz do meu modo e sempre funcionou”. Geralmente o resultado disso é a demissão do funcionário, por mais antigo e conhecedor do trabalho que seja.

Em Segurança e Saúde Ocupacional muitas vezes precisamos derrubar idiossincrasias para que possamos impor nossos ideais. As idiossincrasias mais consistentes são aquelas impostas por funcionários bem posicionados no organograma empresarial. Quando a idiossincrasia agrega mais valor que a gestão, a implantação de qualquer sistema fica comprometida. É necessário que o gestor vença essa barreira em primeiro lugar. Por não haver manuais, regras, procedimentos, técnicas ou qualquer coisa que nos auxilie no combate as idiossincrasias, esse é sem dúvida o entrave mais difícil de ser vencido durante a implantação de qualquer sistema empresarial.

Mas há também idiossincrasias positivas, que ajudam no processo funcional. Como por exemplo, o funcionário que gosta de desafios e que sempre se oferece para resolver os problemas mais difíceis da empresa. Esse tipo de idiossincrasia leva seu portador a passar a ideia de competência, coragem e não acomodação a zonas de conforto.

Saber identificar, selecionar, controlar e lidar com a idiossincrasia deve ser buscado por todos os profissionais. Essa particularidade comportamental, quando não condizente com o grupo social, interessa apenas ao portador. Externar idiossincrasia contrária aos colegas de trabalho conota fanatismo. Impor denota assédio moral.

Webgrafia:

http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=idiossincrasia

http://www.unisc.br/portal/images/stories/curso-24/idiossincrasias-femininas.pdf

http://www.sossobriedade.com.br/2014/12/conheca-os-10-comportamentos-humanos-mais-destrutivos.html

Artigos relacionados:

O otimismo pode ser tão danoso quanto o pessimismo

Teoria da Contingência

Profissionais da geração “Y” são YRRITANTES segundo empresários e gestores

O constrangimento das dinâmicas de grupo constrangedoras

Gestão da Emoção

Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam.

Apriorística da Segurança do Trabalho

O mito como entrave na gestão de SSO

0 Comentário

Enviar comentário