Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam.

Postado por em novembro 22, 2014 em Artigos Técnicos, Materiais para Ler e Baixar | 0 comentários

Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam.

Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam – Por Heitor Borba.

 

Sempre tive medo de gente que não pensa. Com o estouro de cursos em todas as esquinas, modalidades, níveis, tipos, gostos e bolsos, houve também uma explosão de profissionais que não pensam.

 

A facilidade de se conseguir um diploma, principalmente em escolas que não geram nem fomentam, mas apenas repassam conhecimentos (que não são poucas) está produzindo profissionais que não possuem a capacidade de pensar. Essa deficiência gera impacto direto nas faculdades cognitivas que levam o profissional a inquirir, criar e avaliar dentro da sua área de atuação.

 

Profissional que pensa, cursou uma escola e estuda para saber a verdade dos fatos. Profissional que não pensa frequentou uma escola e prefere acreditar que os fatos são verdadeiros. Ou seja, quem pensa estuda, quem não pensa acredita.

 

Isso explica a grande quantidade de profissionais incompetentes no mercado.

 

São médicos que diante de um quadro de delírios, pesadelos e alucinações encaminham o paciente para um centro espírita a fim de receber “tratamento espiritual”, quando na verdade o que o paciente tem é  saturnismo devido à intoxicação por chumbo.

 

São psicólogos que diante de um quadro de jovem do sexo masculino com trejeitos femininos tentam a todo custo convencer o paciente de que ele é homossexual e de que deve aceitar a sua condição, quando na verdade trata-se de um trabalhador contaminado por hormônios femininos por manipular esse material no seu trabalho.

 

São engenheiros que após realizarem um serviço de recuperação estrutural numa edificação ameaçada de cair explicam para o futuro morador que a edificação não vai cair porque seu deus não vai deixar.

 

São advogados que não passam de meros administradores de processos sendo necessário que o cliente repasse a todo tempo ideias, informações, sugestões,  leis e manobras jurídicas para que o processo ande na justiça.

 

São profissionais de  segurança do trabalho que mandam rezar missa para evitar acidentes na obra, em vez de pensar e executar medidas preventivas.

 

São profissionais que cancelam voos e compromissos porque alguém sonhou que o avião ia cair.

 

São esses os profissionais que frequentaram cursos e não aprenderam a pensar, não sabem a diferença entre  acreditação (baseada em fatos) e acreditar (baseada em achismos). São pessoas que certamente irão causar prejuízos as organizações que os contratarem e não podem trabalhar em empresas de verdade (não públicas) ou prestar algum serviço a sociedade.

 

Nenhuma empresa ou sociedade precisa de “profissionais” como esses. O profissional deve garantir o seu serviço, mesmo que de modo estatístico, mas é obrigado a garantir. Empresas são entidades que assumem o risco econômico da sua atividade e precisam produzir e garantir a sua produção de modo sistemático. Para isso, precisam cada vez mais de profissionais que pensam e produzem pensando e não acreditando. A acreditação deve ter origem na cognição e não ao contrário. Cognição é o ato ou processo da aquisição do conhecimento que se dá através da percepção, da atenção, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. Empresas que acreditam (principalmente no Estado) estão fadadas ao insucesso.

 

Nenhum empresário sério investe pesado na instalação de um comercio apenas acreditando que vai dar certo. Ele acredita baseado em fatos trazidos pela pesquisa de mercado realizada por especialistas, cuja conclusão aponta para a necessidade de mais um comércio do tipo na região. Além de ter que investir também em todo o seu processo produtivo.

 

A atuação dos profissionais deve ser de planejamento, pesquisa, avaliação, estudo dos dados, análise crítica dos fatos e conclusão. Sem isso deixam de ser profissionais para se transformarem em “achistas”.

0 Comentário

Trackbacks/Pingbacks

  1. Seja um incentivador de pessoas. O mundo já tem críticos demais (SQN) - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  2. Trabalhos externos que mencionam Heitor Borba | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  3. Políticas organizacionais - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam. [...]
  4. Analfabetismo funcional: Um problema corporativo - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  5. Profissionais de You Tube - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  6. Motivação funcional - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam. [...]
  7. Ad verecundiams profissionais - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  8. Gestão preventiva dos Comportamentos Críticos - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] Empresas estão cada vez mais preocupadas com a falta de profissionais que pensam [...]
  9. Ponderações atuais sobre o registro profissional dos Técnicos de Segurança (TST) no sistema CONFEA - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] http://heitorborbasolucoes.com.br/empresas-estao-cada-vez-mais-preocupadas-com-a-falta-de-profission... [...]
  10. O otimismo pode ser tão danoso quanto o pessimismo - Heitor Borba Soluções | Heitor Borba Soluções - [...] http://heitorborbasolucoes.com.br/empresas-estao-cada-vez-mais-preocupadas-com-a-falta-de-profission... [...]

Enviar comentário