Aposentadoria Especial para agentes cancerígenos

Postado por em fevereiro 24, 2019 em Artigos Técnicos, Materiais para Ler e Baixar | 0 comentários

Aposentadoria Especial para agentes cancerígenos

Aposentadoria Especial para agentes cancerígenos – Por Heitor Borba

 

Exposições ocupacionais a agentes nocivos reconhecidos como cancerígenos é suficiente para comprovação da atividade como especial.

Conforme Decreto nº 3.048/99[1] e Portaria Interministerial MTE/MS/MPS nº 9, de 2014,[2] a avaliação da exposição aos agentes nocivos reconhecidamente cancerígenos deve ser apurada na forma qualitativa, sendo a utilização de EPC e/ou EPI, ainda que eficazes, não descaracterizam tais exposições como especiais. A  Portaria Interministerial MTE/MS/MPS nº 9, de 2014, considerou a elevada incidência de câncer no Brasil, os estudos científicos existentes e a Lista de Agentes Cancerígenos da Agência Internacional para a Investigação do Câncer (IARC), da Organização Mundial da Saúde (OMS). A citada Portaria contém a Lista Nacional de Agentes Cancerígenos para Humanos (LINACH), classificando-os de acordo com os seguintes grupos:

I – Grupo 1 – carcinogênicos para humanos;

II – Grupo 2 A – provavelmente carcinogênicos para humanos; e

III – Grupo 2 B – possivelmente carcinogênicos para humanos.

Nesses grupos da LINACH constam agentes que possuem registro no Chemical Abstracts Service (CAS) e outros em que o CAS não se aplica.

No entanto, para caracterização de atividade em condições especiais são considerados apenas os agentes reconhecidamente cancerígenos constantes do Grupo 1, que possuem registro no CAS e que constam no Quadro do Anexo IV do Decreto nº 3.048/1999[3].

Para esses agentes, a análise técnica por parte da perícia do INSS deve enquadrar a atividade como especial com base apenas em levantamento qualitativo, desconsiderando a utilização de EPC e/ou EPI, mesmo que comprovadamente eficazes.

Porém, nestas condições, a Nota Técnica n° 00001/2015/GAB/PRFE/INSS/SAO/PGF/AGU[4], considera apenas períodos trabalhados a partir de 8 de outubro de 2014, data da publicação da Portaria Interministerial MTE\MS\MPS nº 9/2014, citada.

Os critérios exigidos pelo INSS para enquadramento da atividade como especial por exposições a agentes cancerígenos são:

I – Estar presentes no ambiente de trabalho com possibilidade de exposição;

II – Pertencer ao Grupo 1;

III – Possuir registro no CAS;

IV – Constar no Anexo IV do Decreto nº 3.048, de 1999;

V – Ser avaliados qualitativamente;

VI – Ser enquadrados independentemente da adoção de EPC e/ou EPI eficazes; e

VII – Constar em períodos trabalhados a partir de 8 de outubro de 2014.

Algumas considerações constantes do Manual de Aposentadoria Especial do INSS:[5]

a) Os agentes químicos listados no Anexo 11 da NR-15, que não constem no Grupo 1 da LINACH ou que constem, mas não possuam CAS, continuarão sendo analisados de forma quantitativa;

b) As poeiras minerais do Anexo 12 da NR-15, caso constem no Grupo 1 da LINACH, possuam o CAS e constem no Anexo IV do Decreto nº 3.048, de 1999, serão analisados qualitativamente, não havendo, portanto, limites de tolerância; e o uso de EPI/EPC não elide a exposição;

c) Os agentes químicos relacionados no Anexo 13 da NR-15 continuarão sendo analisados de forma qualitativa e, caso não constem no Grupo 1 da LINACH, a utilização de EPC e/ou EPI poderá ser considerada para atenuação/eliminação da exposição.

O mesmo Manual de Aposentadoria Especial traz o Quadro 10, especificando os agentes cancerígenos para enquadramento da atividade como especial:

QUADRO 10 – AGENTES QUÍMICOS CONSTANTES DO ANEXO IV DO DECRETO Nº 3.048, DE 1999, E OS CRITÉRIOS PARA ENQUADRAMENTO DE AGENTES CANCERÍGENOS

Tabela

Uma

Uma das surpresas é a sílica (poeiras de sílica, cristalina, em forma de quartzo ou cristobalita), que são as poeiras a que estão expostos os operadores de retroescavadeira, operadores de betoneira, operadores de marteletes/rompedores, trabalhadores em marmorarias e outros. Demais agentes listados já era de se esperar. Nesse caso, o INSS pode aceitar LTCAT com levantamento qualitativo de poeiras, mas há algumas observações sobre isso no Manual de Aposentadoria Especial:

Pela legislação brasileira, a análise da exposição à sílica é feita por meio da concentração de poeira contendo sílica. É calculado o percentual de sílica na poeira do ambiente de trabalho e, a partir deste percentual, estima-se o limite de tolerância para esse ambiente estudado.

e

Importante ressaltar que as avaliações/mensurações são de responsabilidade da empresa que precisa emitir as informações técnicas (medições) para que possa ser feita a análise pericial.” (Pelo Anexo 12 da NR-15)

Ainda,

A exposição ao agente sílica cristalina é qualitativa até 5 de março de 1997 e quantitativa a partir de 6 de março de 1997 até 7 de outubro de 2014. A partir de 8 de outubro de 2014, além da avaliação ser apurada na forma qualitativa, a utilização de EPC e/ou EPI não elide a exposição aos agentes comprovadamente cancerígenos, ainda que considerados eficazes, pois a sílica consta no Grupo 1 da LINACH 1, possui registro no CAS e consta no Anexo IV do Decreto nº 3.048, de 1999 (conforme Portaria Interministerial MTE/MS/MPS nº 9, de 2014).

Apenas os LTCAT datados a partir de 08/10/2014 serão aceitos com avaliação qualitativa de sílica.

Portanto, os LTCAT contemporâneos devem caracterizar como especial as atividades cujas exposições aos agentes nocivos constantes do Quadro acima e nas condições descritas no Manual de Atividade Especial, mesmo com uso de EPI/EPC eficaz. Desse modo, apenas a possibilidade de exposição aos agentes elencados no Quadro citado já caracteriza a atividade do trabalhador como especial. Lembrando que o reconhecimento da atividade como especial não implica no reconhecimento automático dessa mesma atividade como insalubre. Enquanto os critérios para reconhecimento de atividades especiais se encontram na legislação previdenciária e jurisprudência relacionada, os critérios para reconhecimento de atividades insalubres se encontram na NR-15 e jurisprudência relacionada.

 

Webgrafia/Referencias:

[1] Decreto nº 3.048/99

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3048.htm

[2] Portaria Interministerial MTE/MS/MPS nº 9, de 2014

http://www.abho.org.br/wp-content/uploads/2014/10/Lista-de-Agentes.pdf

[3] Quadro do Anexo IV do Decreto nº 3.048/1999

http://sislex.previdencia.gov.br/paginas/23/1999/ANx3048.htm

[4] Nota Técnica n° 00001/2015/GAB/PRFE/INSS/SAO/PGF/AGU

http://alexandretriches.com.br/wp-content/uploads/2016/01/mccj2DIRSAT-DIRBEN-CANCERIGENOS-1.pdf

[5] Manual de Aposentadoria Especial do INSS

https://uct.fetranspor.com.br/wp-content/uploads/2018/04/Manual-Aposentadoria-Especial-2017.pdf

 

Artigos relacionados:

Trabalhos com Escórias de Thomás

Limites de Tolerância para misturas respiráveis de duas ou mais substâncias

Máquinas e ferramentas utilizadas nos processos de corte e acabamento de rochas ornamentais

Considerações sobre avaliações de poeiras

Os Limites de Tolerância – Valor Teto da NR-15

Biomarcadores de genotoxicidade para avaliação da exposição ocupacional em postos de gasolina

Avaliação qualitativa para caracterização de Atividade Especial

Fenol, cresol e compostos semelhantes

Emprego de defensivos derivados do ácido carbônico

Exposições ocupacionais aos fumos de soldas

Substâncias absorvíveis pela pele

Baias de contenção simples para armazenagem de produtos químicos líquidos

A abordagem técnica e científica para realização de levantamento ambiental

A importância do monitoramento ambiental

Exposições ocupacionais a substancias ototóxicas

As doenças das manicures/pedicures

A toxidade de alguns produtos utilizados no cotidiano

Neblinas, névoas, gases e vapores

Um pouco de toxicologia ocupacional

Metabolização do xileno e do tolueno no organismo humano

Soluções neutralizantes para produtos químicos

A sintomatologia como ferramenta de gestão de riscos ocupacionais

Insalubridade X Avaliação qualitativa de agentes químicos

Utilização de tubos indicadores colorimétricos ou de leitura direta

Amostradores passivos

Produtos químicos como fatores de risco

Exposições ocupacionais ao negro de fumo

Sílica livre cristalizada

Saturnismo

Citações de agentes químicos no PPP

Líquidos combustíveis e inflamáveis e gases inflamáveis

A química da segurança

Exposições ocupacionais a poeiras orgânicas

Parecer Técnico de Contestação de Laudo Pericial de Insalubridade por Exposição a Tintas

Diamante de Hommel

Exposições ocupacionais aos solventes

Enviar comentário